Notícias

Sequência didática leva a gravação de roteiros e podcasts em escola

Publicada em 19/09/2022, às 12h10

Por Brunella França (blfrancaeira$4h064+pref.seme.vitoria.es.gov.br), com edição de Andreza Lopes


  • Educação de qualidade

Foto Divulgação
Emef Prezideu Amorim
Projeto pedagógico baseado na obra "Decifrando Ângelo" é desenvolvido com estudantes da Emef Prezideu Amorim. (ampliar)
Foto Divulgação
Emef Prezideu Amorim
Projeto pedagógico baseado na obra "Decifrando Ângelo" é desenvolvido com estudantes da Emef Prezideu Amorim. (ampliar)

Leitura coletiva, produção de diferentes tipos de texto, gravação de vídeo, criação de um podcast e debate. A turma do 8º ano, turno vespertino, da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Prezideu Amorim, localizada no bairro Bonfim, vivenciou uma experiência de leitura e escrita cheia de atividades com a professora de Língua Portuguesa Cláudia Júlio Alves Caetano.

O projeto pedagógico a partir da obra "Decifrando Ângelo" pretendeu criar condições para o desenvolvimento da linguagem como um objeto de estudo e reflexão, da leitura compreensiva e compartilhada, da produção escrita adequada e significativa, da produção oral eficaz e coerente, da escuta sensível, inteligente e crítica e da organização e autonomia quanto ao ato de aprender.

A obra, de autoria do escritor e jornalista Luis Dill, traz uma história de violência ocorrida em um colégio de Porto Alegre. O livro se apresenta como o roteiro de um documentário cujo objetivo é desvendar as causas da tragédia que mudou para sempre a vida daqueles estudantes.

"O livro de Luis Dill foi um pretexto para trabalhar leitura, escrita e oralidade de um jeito leve, prazeroso e cativante. Os estudantes foram sendo contagiados pelas propostas e se envolvendo gradativamente. O maior desafio ocorreu no momento das apresentações orais por causa da vergonha e insegurança de alguns. Mas, à medida que os trabalhos iam se desenvolvendo e as atividades iam se mostrando bem significativas para a maioria, tudo fluiu e os resultados foram surpreendentes, muitas produções lindas!", comemorou a professora Cláudia.

Imersão na história

A obra remete a assuntos polêmicos, extremamente delicados e bem próximos da realidade de alguns estudantes, de acordo com a educadora. A leitura começou com a análise da capa: há um furo de bala e as palavras que compõem o título estão na vertical, separadas em sílabas. O primeiro momento foi para levantamento de hipóteses: Quem é Ângelo? O que ele fez? O que significa "decifrar" alguém?

A leitura oral foi feita em sala de aula: em alguns momentos pela professora; em outros, pelos alunos. Após a leitura, como o livro é dividido em depoimentos de estudantes, amigos dos adolescentes envolvidos na tragédia, teve início o trabalho de produção de textos de diferentes gêneros.

"Gostei do livro pela história, pela temática, pela maneira como foi organizado. As atividades estimularam nossa imaginação e criatividade. As aulas foram bem construídas, divertidas e envolventes. Fui ator no meu vídeo e diretor nos vídeos das outras equipes. Ajudei todo mundo que precisou", contou o estudante Daniel de Oliveira Teixeira.

Produção de textos

Em duplas, os estudantes produziram uma entrevista imaginária: entrevistador e entrevistado. No momento da apresentação para a turma, cada um desempenhou um papel: um era o repórter, o outro era Ângelo.

Também dentro da produção escrita, individualmente, todos os estudantes produziram cartas para Ângelo, afinal muitas perguntas ficaram sem respostas e somente o protagonista da história poderia respondê-las. Vários integrantes da turma do 8º ano fizeram a leitura de seu texto para a classe.

"Achei o livro muito interessante e as aulas de redação bem divertidas. Escrever diferentes tipos de texto e apresentá-los foi legal, bem dinâmico", comentou o estudante Arthur Matheus Alvarenga.

E como a tragédia contada no livro seria noticiada nos jornais? Que perguntas deveriam ser respondidas? Após uma aula expositiva sobre o gênero jornalístico, cada estudante produziu uma notícia sobre o fato ocorrido na escola em Porto Alegre e alguns voluntários leram seus textos para a sala.

"A Roda de Leitura é muito legal. Foi bom ler o livro com meus amigos", disse o estudante Petrick Santos.

O projeto na escola

Encerrada a fase de produção de texto, a turma digitou todos os gêneros textuais trabalhados com a ajuda da professora Michelli Pereira. Após a revisão feita pela professora Cláudia, os textos foram impressos e expostos no mural da sala.

E ainda tem mais! Em grupos de quatro integrantes, os estudantes produziram vídeos indicando o livro como dica de leitura para os estudantes da escola. Depois do roteiro pronto, as gravações foram feitas na biblioteca da escola.

Em outra produção em sala, a turma criou podcasts sobre o livro. Cada estudante escreveu o roteiro antes de sua gravação. Aqueles que não conseguiram terminar na escola, fizeram a atividade em casa. Alguns áudios foram até editados e todos os podcasts foram apresentados para a classe.

Toda essa produção levou a uma aula dialogada, em que a professora e a turma fizeram, no quadro, um levantamento de todas as características dos gêneros textuais trabalhados.

"Houve muita interação entre os estudantes, muitos trabalhos em dupla, em grupos. A leitura compartilhada em sala foi muito boa e o uso da tecnologia foi maneiro. Adoro editar vídeos", pontuou o estudante Gabriel Ribeiro Pimenta.

Debate

Para finalizar os trabalhos do projeto "Decifrando Ângelo", os estudantes participaram de um caloroso debate sobre violência na sociedade e na escola. Quais suas causas? Que propostas de intervenção podemos sugerir como solução? Por que a violência não é o melhor caminho para a resolução de conflitos?

Cada um foi convidado a falar e contar seu ponto de vista, suas experiências e conclusões. Mediados pela professora Cláudia, os adolescentes foram incentivados a pensar juntos, construindo argumentos sólidos e bem fundamentados para contribuir com o amadurecimento de atitudes e melhorar a convivência e vida em sociedade.

Foto Divulgação
Emef Prezideu Amorim
Projeto pedagógico baseado na obra "Decifrando Ângelo" é desenvolvido com estudantes da Emef Prezideu Amorim. (ampliar)
Foto Divulgação
Emef Prezideu Amorim
Projeto pedagógico baseado na obra "Decifrando Ângelo" é desenvolvido com estudantes da Emef Prezideu Amorim. (ampliar)

Voltar ao topo da página