Prefeitura Municipal de Vitória

Atalhos de teclado:

Notícias

Casal supera ruas com ajuda da Escola da Vida e Centro-Pop e conquista emprego

Publicada em 09/12/2019, às 16h51

Por Paula M. Bourguignon (pmacbourguignon@vitoria.es.gov.br) | Com edição de Matheus Thebaldi


  • Erradicação da pobreza
  • Redução das desigualdades

Guiomedce Paixao

Claudia superação

Cláudia Gomes Libanio superou a situação de rua e atualmente trabalha em empresa que presta serviço de compartilhamento de patinetes e bikes

Cláudia Gomes Libanio e sua companheira, Anali Tomazini, ambas de 32 anos, acreditam que é possível vencer o preconceito, as ruas e as drogas. Elas frequentaram a Escola da Vida e o Centro de Referência para a População em Situação de Rua (Centro-Pop) participaram de oficinas e rodas de conversa e mostrar que é bom sonhar.

Elas eram pessoas em situação de rua e lutam para superar os obstáculos da vida. Claudia está trabalhando há duas semanas na Yellow, empresa que presta de serviço de compartilhamento de bikes e patinetes em Vitória, enquanto Anali é estoquista. 

"Tivemos que ter força de vontade e contar com a ajuda da minha companheira e todos amigos para sair das drogas e das ruas. Tivemos ajuda da Escola da Vida e do Centro-Pop, além do Instituto Salomão Vix, que fez a ponte para conseguirmos o emprego. Recebemos oportunidades e resolvemos sair de vez das ruas. Hoje somos pessoas vitoriosas e guerreiras. Vamos conseguir vencer", disse Cláudia.

Anali também contou como foi superar a rua com o apoio da companheira. "Conheci Cláudia nas ruas. Ela, inclusive, que me trouxe para o Centro-Pop. Somos casadas há 1 ano e dois meses no papel. O Centro-pop nos ajudou a ter gratuidade para casar".

Esforço

"A Cláudia é uma pessoa muito esforçada, responsável e dedicada. Por isso conseguiu o emprego de reparo das bicicletas. Sua outra aptidão é fazer sua arte com a sucata. Fico feliz por ela e Anali estarem trilhando o caminho do bem", afirmou a articuladora da Escola da Vida, Macsiene Rodrigues Vieira.

Guiomedce Paixao

Claudia superação

Osmar Pereira Ramalho, responsável pelo Instituto Salomão, fez a ponte para que Cláudia conquistasse emprego e elogia seu empenho

"A Cláudia precisa ser respeitada. Vejo ela em um momento de renovação da vida. Ela nos procurou através da Escola da Vida para conseguir um emprego", direciona Osmar Pereira Ramalho, responsável pelo Instituto Salomão (em Jardim Camburi) e que conseguiu o trabalho para Cláudia.

"Muito bom estar trabalhando, principalmente por ser um trabalho de que eu gosto. Atuo na parte de mecânica, consertando e recolhendo nas ruas bicicletas ou patinetes com algum problema. Também faço trabalho com sucata e lata, como se fosse reciclagem. Tive uma nova oportunidade de sonhar e dizer que sou capaz", disse Cláudia.

Rua

"Vim de Aracruz para cá quando tinha 28 anos e fui parar nas ruas. Comecei a me envolver com muita coisa errada. Perdi meu pai quando eu tinha 22 anos. Ele faleceu de embolia pulmonar. Bebia muito e, às vezes, ficava jogado nas ruas por conta da cachaça. Depois que o perdi, meu mundo caiu. Me senti fraca, sem vontade de batalhar pelas coisas. Não consegui me estabilizar muito. Podia estar passando por dificuldade, mas sempre estava com sorriso no rosto. Acho que isso que herdei dele. O coração dele é grande demais e ajudava quem pudesse", lembrou Cláudia.

Desistir jamais

"Penso sempre em nunca desistir. Quando estava no mundo das drogas, dei muito desgosto e choro para minha avó. Isso doía nela. Hoje eu venci não só por mim, mas, principalmente, por ela. Minha avó é como se fosse minha mãe. É muito forte e guerreira também", disse.

Desprezo

"Muitos ainda olham as pessoas em situação de rua com desprezo. Tratam a gente como se fosse lixo. É horrível. Já vivenciei muita coisa: de amigos serem chutados e xingados. Tenho certeza que vão sair dessa também".

Futuro

"Minha companheira e eu decidimos sair das ruas, principalmente, pelo nosso relacionamento ser sério. Outro motivo foi ela ter dois filhos. Se Deus quiser, nós duas trabalhando agora e tendo a nossa casa, queremos ter a guarda das crianças de volta. São como meus filhos também. Estamos fazendo planos de juntar a família no Natal", finalizou a vitoriosa Cláudia.


Para dúvidas ou informações sobre os serviços da Prefeitura, ligue 156 ou use o serviço on-line.


Voltar para o topo

Prefeitura Municipal de Vitória
Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, 1.927
Bento Ferreira, Vitória, ES - CEP: 29.050-945
Telefone: (27) 3382-6000 (Atendimento ao público de 12h às 19h)
Voltar ao topo do site