Notícias

Termina neste sábado (14) a 1ª Mostra "Orlando Bomfim Netto" de Audiovisual

Publicada em 14/05/2022, às 09h00

Por Pedro Vargas (pedrovargaseira$4h064+pref.vitoria.es.gov.br), com edição de Andreza Lopes


Foto Divulgação
Entre as produções está o documentário "O caminho das mãos".
Entre as produções está o documentário "O caminho das mãos". (ampliar)
Foto Divulgação
Animação "Saudades em cor" será lançada no sábado (14).
Animação "Saudades em cor" será lançada no sábado (14). (ampliar)

O segundo e último dia da 1ª Mostra "Orlando Bomfim Netto" de Audiovisual, ocorre neste sábado (14) e promete surpreender artistas, produtores de audiovisual e o público em geral, com a apresentação de mais quatro produções inéditas.

A mostra é realizada na sala Cariê Lindenberg do Sesc Glória, localizado no Centro Histórico de Vitória e tem início marcado para às 19 horas.

O evento inédito, promovido pela Secretaria Municipal de Cultura de Vitória (Semc), tem por objetivo realizar o lançamento e exibição de oito produções de audiovisual derivadas do Edital de Chamamento Público nº 007/2021 de Seleção de Propostas de Produções de Audiovisual - Lei Aldir Blanc. As categorias contempladas são: documentário, videoclipe e animação.

O encontro é aberto somente para convidados e contará com a presença de artistas e produtores de audiovisual, titulares dos projetos, servidores da Cultura de Vitória e autoridades municipais.

Logo após o lançamento, cada produção, que contará com audiodescrição e legendas, será disponibilizada na plataforma dos proponentes.

Os projetos possuem classificação indicativa livre.

O Caminho das Mãos

O documentário de Ricardo Sá e Jamilda Bento, aborda o cotidiano das tradicionais paneleiras durante a pandemia ocasionada pelo Coronavírus, em 2020. Impedidas de trabalhar nos galpões devido ao risco de contaminação e a fim de não deixar de exercer seu ofício, as artesãs se viram obrigadas a retornarem para os seus quintais.

"Todas essas mulheres enfrentaram dificuldades, mas seguiram embarreando as mãos e produzindo um dos maiores ícones da cultura capixaba: a panela de barro", afirma Jamilda.

"Este documentário revela a cumplicidade e o amor que as paneleiras têm com seu ofício. Elas são protagonistas de um conhecimento ancestral, herdado de nossas griôs, que já estão no Orún. Durante o período mais severo da pandemia, elas retornaram a seus quintais sem perder a esperança", completa a diretora.

"Para mim foi uma experiência muito gratificante e educativa. Trabalhar com a Jamilda e as paneleiras de Goiabeiras me fez sentir realmente capixaba, respirando o que temos de mais autêntico em nossa identidade", finalizou Ricardo.

O projeto que envolveu diretamente oito paneleiras, seis técnicos além de artistas ficará disponível no canal do YouTube de Ricardo https://www.youtube.com/channel/UCKMZvBSqToCIocHeTi7hKHA

Saudades em Cor

O curta-metragem animado, "Saudades em Cor", tem duração de nove minutos e conta a história de um garotinho que perdeu o avô durante a pandemia da Covid-19 e não conseguiu se despedir do ente querido.

A obra, a partir da rememoração da vivência do garoto com o avô, o permite dar
o abraço final que o tempo não deixou.

"O projeto surgiu diante do impacto da pandemia na vida das crianças do Brasil e do mundo. Foi desenvolvido completamente por meio da animação digital e é de classificação livre e dedicado ao público infantil. Toda produção ocorreu de modo remoto e uniu profissionais do Estado do Espírito Santo e do Rio de Janeiro", explica o diretor Arthur Felipe Fiel.

"No Brasil, estima-se que mais de 168 mil crianças tenham ficado órfãs de pai ou
mãe durante a pandemia, entre março de 2020 e outubro de 2021, e esse número chega a quase 200 mil, se considerar as avós e avôs que possuem a guarda das
crianças. No mundo, essa estimativa extrapola 7 e 10 milhões de órfãos, respectivamente. Nossa obra vem homenagear todas essas vidas que se foram e também às que ficaram", finaliza Felipe.

O trabalho fica disponível no YouTube de Arthur https://www.youtube.com/channel/UCXh2OVYRCjGUPGNmPOd-WnA

Chama Maré

Com direção de Manel Fogo, o clipe "Chama Maré", do cantor Fepaschoal, é o terceiro trabalho a ser lançado no sábado (14).

O clipe foi planejado para integrar o corpo de trabalho do último lançamento de
Fepaschoal: "Monazita". As imagens suscitadas pela letra da música são
traduzidas em uma narrativa universal sobre a trajetória artística utilizando
elementos imagéticos da aura capixaba como o mangue e o "tigrão" de Guarapari,
localidade referência do título do disco.

Fepaschoal, que atua no mercado audiovisual e é músico e produtor tem três discos autorais lançados: "Comando Guatemala" (2011), "O Canto do Urbanóide" (2016) e "Monazita" (2021).

"Chama Maré" estará disponível no canal https://www.youtube.com/user/ManelRuivo

Marcha, Mastro e Fé

A programação da 1ª Mostra "Orlando Bomfim Netto" se encerra com o lançamento do videoclipe do artista e compositor Arthur Navarro, "Marcha, Mastro e Fé".

"A ideia do trabalho surgiu com inspiração na letra da música de mesmo nome, "Marcha, Mastro e Fé", na qual é retratado um fragmento histórico sobre a chegada da cultura do Congo a terras capixabas. Com isso cria-se uma narrativa fictícia com base na história para representar essa história de forma
lúdica, envolvente e emocionante", explica Arthur, que também roteirizou e dirigiu o videoclipe.

A obra na íntegra poderá ser conferida na página do artista https://www.youtube.com/ArthurNavarroMusic

Confira os lançamentos deste sábado (14):

- "O Caminho das Mãos" (documentário) - Direção: Ricardo Sá e Jamilda Bento;

- "Saudades em Cor" (animação) - Direção: Arthur Felipe Fiel;

- "Chama Maré" (videoclipe) - Artista: Fepaschoal / Direção: Manel Fogo;

- "Marcha, Mastro e Fé" (videoclipe) - Artista: Arthur Navarro / Direção: Arthur Navarro.

Orlando Bomfim Netto

A mostra realizada pela Semc homenageia o roteirista, diretor, fotógrafo e cineasta Orlando Bomfim Netto, falecido em julho de 2021.

Natural de Minas Gerais, Bomfim fixou residência no Espírito Santo após ter morado no Rio de Janeiro. O roteirista foi o primeiro cineasta a registrar de forma sistemática aspectos da história e da cultura do Espírito Santo, em documentários que se tornaram um importante patrimônio para a cinematografia capixaba.

Conhecido pela produção de curtas e médias-metragens, foi um dos fundadores da Associação Brasileira de Documentaristas e Curtas-Metragens do Espírito Santo (ABD  Capixaba) tendo também presidido o Departamento Estadual de Cultura (DEC) do Espírito Santo.

No meio cultural o nome de Orlando Bomfim Netto, é destaque pela extraordinária contribuição para a cultura onde se inclui a preservação e defesa não apenas do patrimônio cultural capixaba e do país bem como do patrimônio natural, tão bem retratados nos documentários "Tutti, Tutti, Buona Gente, propriamente buona", sobre o centenário da imigração italiana em Santa Teresa; "Augusto Ruschi Guainaunbi", sobre o patrono da ecologia do Brasil, "Itaúnas: desastre ecológico", sobre o aterramento da antiga vila de Itaúnas, no norte do Estado, "Canto para a liberdade - a festa do Ticumbbi" entre outros.

Filho de Orlando da Silva Rosa Bonfim Júnior, o cineasta viveu para encontrar o paradeiro do pai, desaparecido na época da ditadura militar no Brasil. A triste memória se reflete em muitas de suas obras.

Em 1975 a família de Orlando Bomfim recebeu um telefonema anônimo, em que algum amigo de seu pai comunicava a prisão de Orlando e pedia que a família contratasse um advogado e comunicasse o fato à Associação Brasileira de Imprensa (ABI). Preso nas proximidades da Vila Isabel o pai do cineasta nunca mais foi visto. O desaparecimento que persiste por quase 50 anos foi registrado no documentário "História Oculta" (de 2014).

Foto Divulgação
Chama Maré” do cantor Fepaschoal é o terceiro trabalho a ser lançado no sábado (14).
Chama Maré, do cantor Fepaschoal, é o terceiro trabalho a ser lançado no sábado (14). (ampliar)
Foto Divulgação
Marcha, Mastro e Fé" retrata um fragmento histórico sobre a chegada da cultura do Congo no ES.
Marcha, Mastro e Fé" retrata um fragmento histórico sobre a chegada da cultura do Congo ao Espírito Santo. (ampliar)

Voltar ao topo da página